Tutorial de TCP/IP – Parte 24 – Tipos de Registros no DNS

Introdução:

 

Prezados leitores, esta é a quarta parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo que eu classifiquei como Introdução ao TCP/IP. O objetivo do primeiro módulo foi apresentar o TCP/IP, mostrar como é o funcionamento dos serviços básicos, tais como endereçamento IP e Roteamento e fazer uma apresentação dos serviços relacionados ao TCP/IP, tais como DNS, DHCP, WINS, RRAS, IPSec, Certificados Digitais, ICS, compartilhamento da conexão Internet e NAT. No decorrer de 2004/2005 serão disponibilizados mais 20 tutoriais de TCP/IP (de 21 a 40), nas quais falarei mais sobre os aspectos do protocolo em si, relacionados ao Windows 2000 Server e Windows Server 203: DNS, DHCP, WINS, RRAS, IPSEc, etc.

 

Para um curso completo sobre a instalação e Administração do DNS,no Windows 2000 Server, consulte, um dos livros indicados a seguir.

LIVRO IMPRESSO

MANUAL DE ESTUDOS PARA O EXAME 70-217 ‚Äď 752 p√°ginas

Um curso completo de Active Directory no Windows 2000 Server

E-BOOK EM FORMATO PDF

MANUAL DE ESTUDOS PARA O EXAME 70-216 ‚Äď 712 p√°ginas

Aprenda sobre o DNS, DHCP, WINS, RRAS, Roteamento, IPSEc, etc.

 

Nesta parte você aprenderá sobre o conceito de registro e sobre os principais tipos de registros disponíveis, que podem ser criados em um zona do DNS. Em uma das próximas partes deste tutorial, você aprenderá a criar registros em zonas do DNS.

 

Tipos de Registros no DNS

 

Conforme descrito na Parte 8 deste tutorial (http://www.juliobattisti.com.br/artigos/windows/tcpip_p8.asp) , as informa√ß√Ķes sobre o DNS s√£o armazenadas em zonas. Em uma zona pode haver informa√ß√Ķes sobre um ou mais dom√≠nios. As informa√ß√Ķes s√£o adiconadas em uma zona do DNS, atrav√©s da cria√ß√£o de registros. Por exemplo, pode ser criado um registro do tipo A, o qual associa o nome DNS com o respectivo n√ļmero IP. O objetivo desta parte do tutorial √© justamente apresentar e descrever os principais tipos de registros dispon√≠veis.

 

 

Trabalhando com registros do DNS

 

Um banco de dados de um servidor DNS √© constitu√≠do por uma ou mais zonas, conforme j√° descrito anteriormente, em outras partes desta s√©rie de tutoriais. Em cada zona ficam armazenados os registros do DNS. Os registros armazenam informa√ß√Ķes de uma maneira estruturada. O DNS do Windows 2000 Server suporta uma s√©rie de registros. Nesta parte do tutorial vou destacar os principais tipos de registros suportados pelo DNS do Windows 2000 Server. Na Ajuda do DNS (menu Ajuda do console DNS), voc√™ encontra uma refer√™ncia completa, de todos os registros suportados pelo DNS.

Todos os registros do DNS tem uma estrutura padrão, com um conjunto determinado de campos de informação. Até podemos fazer a analogia com uma tabela de um banco de dados, no modelo relacional de dados, onde cada registro é determinado por um conjunto de campos de informação.

 

Os registros do DNS no Windows 2000 Server, contém os seguintes campos de informação:

  • Dono (Owner): Indica o nome do dom√≠nio DNS no qual o registro se encontra, ou em outras palavras, o dom√≠nio DNS que √© dono (owner) do registro. Este √© o nome que √© exibido no console DNS.
  • Time to Live (TTL): Para a maior parte dos tipos de registro este campo √© opcional. Este campo √© utilizado por outros servidores DNS, para determinar por quanto tempo o registro ser√° armazanado no cache destes servidores, ap√≥s o registro ter sido carregado em resposta a uma consulta feita ao servidor. Transcorrido o tempo definido neste campo, o registro √© descartado. A maioria dos registros criados pelo DNS herdam o valor padr√£o para o TTL que √© de uma hora (3600 segundos). Este valor √© herdado da defini√ß√£o do TTL do registro SOA ‚Äď Start of Authority, que √© o principal registro de uma zona, registro que define uma s√©rie de caracter√≠sticas de uma zona. Voc√™ pode definir individualmente, para cada registro, um valor de TTL diferente do valor herdado do registro SOA. Voc√™ tamb√©m pode definir um valor igual a zero (0), para registros que n√£o devam ser mantidos no cache dos servidores DNS.
  • Class: Cont√©m um texto padr√£o, indicativo da classe do registro. Por exemplo, um valor igual a ‚ÄúIN‚ÄĚ, indica que o registro pertence a classe Internet, ali√°s √ļnica classe suportada pelo DNS do Windows 2000 Server. Este campo √© obrigat√≥rio, embora tenha sempre o mesmo valor no DNS do Windows 2000 Server.
  • Type: Cont√©m um texto padr√£o, indicativo do tipo do registro. Por exemplo, um tipo igual a ‚ÄúA‚ÄĚ indica um registro que armazena informa√ß√Ķes de endere√ßo. √Č o tipo mais comum, onde √© gravado um n√ļmero IP associado com um nome. Este campo √© obrigat√≥rio.
  • Dados do registro (Record-specific data): Cont√©m os dados do registro. Por exemplo, para um registro do tipo ‚ÄúA‚ÄĚ, conter√° o nome e o n√ļmero IP associado com o nome. √Č obrigat√≥rio.

Agora que você já conhece a estrutura de um registro do DNS, é hora de aprender sobre os principais tipos de registros. Conforme descrito anteriormente, você encontra uma referência completa sobre todos os tipos de registros, na Ajuda do DNS.

 

Descrição de alguns dos principais tipos de registros do DNS do Windows 2000 Server:

 

A

 

Descri√ß√£o: Endere√ßo de Host (Host address (A) resource record). √Č o tipo mais utilizado, faz o mapeamento de um nome DNS para um endere√ßo IP vers√£o 4, de 32 bits.

 

Exemplos:

host1.example.microsoft.com.     IN A             127.0.0.1
srv01.abc.com.br                         IN A 100.100.200.150
srv02.abc.com.br                         IN A 100.100.200.151

 

AAAA

Descrição: Endereço de host IPv6 (IPv6 host address (AAAA)). Faz o mapeamento de um nome DNS para um endereço IP versão 6, de 128 bits.

Exemplo:

ipv6_host1.example.microsoft.com.     IN AAAA 4321:0:1:2:3:4:567:89ab

 

CNAME

Descrição: Canonical name (CNAME): Mapeia um alias (apelido) ou nome DNS alternativo. Por exemplo, suponha que o site da empresa esteja no servidor srv01.abc.com.br. Porém na internet, os usuários irão utilizar o nome www.abc.com.br. Neste caso basta criar um alias www que faz referência ao nome srv01.abc.com.br. Pronto, quando os usuários digitarem www.abc.com.br estarão acessando, na verdade, o endereço srv01.abc.com.br. Porém para o usuário, tudo ocorre transparentemente, como se o nome fosse realmente www.abc.com.br.

Exemplo:

www.abc.com.br. CNAME     srv01.abc.com.br.

 

HINFO

Descri√ß√£o : Host information (HINFO): Utilizado para armazenar informa√ß√Ķes sobre o hardware do servidor DNS, tais como tipo de CPU, tipo e vers√£o do sistema operacional e assim por diante. Estas informa√ß√Ķes pode ser utilizadas por protocolos como por exemplo o ftp, o qual utiliza procedimentos diferentes, para diferentes sistemas operacionais

Exemplo:

my-computer-name.example.microsoft.com.     HINFO     INTEL-386 WIN32

 

MX

Descri√ß√£o : Mail exchanger (MX): Fornece informa√ß√Ķes utilizadas pelos servidores de e-mail, para o roteamento de mensagens. Cada host definido em um registro MX deve ter um correspondente registro do tipo A em uma zona v√°lida, no servidor DNS.

 

Exemplo:

example.microsoft.com.     MX 10 mailserver1.example.microsoft.com

Nota : O n√ļmero de dois d√≠gitos ap√≥s o MX, √© um indicativo da ordem de prefer√™ncia quando mais de um registro MX √© configurado na mesma zona.

 

NS

Descri√ß√£o : √Č utilizado para relacionar um nome DNS com o seu dono, ou seja, o servidor que √© a autoridade para o nome DNS. Ou em outras palavras, o servidor DNS onde est√° a zona prim√°ria associada ao nome.

Exemplo:

example.microsoft.com.     IN NS nameserver1.example.microsoft.com

 

PTR

Descri√ß√£o : Pointer (PTR): √Č utilizado em zonas reversas, para fazer o mapeamento reverso, ou seja, o mapeamento de um n√ļmero IP para um nome. Ao criar um registro do tipo A, em uma zona direta, voc√™ pode criar, automaticamente, o registro PTR associad, se j√° houver uma zona reversa configurada.

Exemplo:

10.20.20.10.in-addr.arpa.     PTR host.example.microsoft.com.

 

SOA

Descri√ß√£o : Start of authority (SOA): O principal registro, o registro que define mutas das caracter√≠stias de uma zona. Cont√©m o nome da zona e o nome do servidor que √© a autoridade para a referida zona, ou seja, o servidor DNS onde est√° a zona foi criada originalmente. Cont√©m tamb√©m a defini√ß√£o de outras caracter√≠sticas b√°sicas da zona. √Č sempre o primeiro registro da zona, pois √© criado durante a cria√ß√£o da zona. Define caracter√≠sticas tais como o n√ļmero serial da zona (que √© um indicativo se houve ou n√£o altera√ß√Ķes na zona. Este n√ļmero √© utilizado para controlar a replica√ß√£o entre a zona prim√°ria e as zonas secund√°rias), o valor do TTL para os demais registros da zona e assim por diante.

 

Exemplo:

@ IN SOA nameserver.example.microsoft.com. postmaster.example.microsoft.com. (
                         1           ; serial number
                         3600     ; refresh [1h]
                         600       ; retry [10m]
                         86400   ; expire [1d]
                         3600 )   ; min TTL [1h]

Sobre registros do DNS era isso. Nas próximas partes deste tutorial você aprenderá sobre zonas reversas e aprenderá a criar zonas reversas. Em seguida aprenderá a criar registros, tanto em uma zona direta, quanto em uma zona reversa.

 

Conclus√£o

Nesta parte do tutorial fiz uma apresentação e descrição dos principais registros disponíveis em zonas do servidor DNS do Windows 2000 Server.

Nas pr√≥ximas partes deste tutorial, segundo dentro da filosofia de apresentar a√ß√Ķes pr√°ticas, voc√™ aprender√° sobre a cria√ß√£o de zonas reversas e sobre a cria√ß√£o de registros em zonas diretas e em zonas reversas do DNS.